Sinestesia



A luz apagou
O sol se pôs
O verão acabou
O sorriso cessou
A canção terminou
E o nada se iniciou...

O silencio começou
O inverno chegou
A lágrima caiu
E o vazio se fez.

Os sentidos se perderam
As cores se partiram
Num som distante,
E os olhos...

Os olhos de fecharam
Para todas as noites
E é o fim.

Patrick Pinheiro
26/04/2013

2 comentários:

  1. Patrick, você não é o primeiro a mencionar meu estila dadaísta, boa observação. Quanto ao teu blog, acho-o muito organizado. Isto já é ótimo, este é meu ascendente em virgem falando, rs. Este teu posto eu diria que é a transformação da sinestesia em melancolia. Belíssimo. Por coincidência e já que comentei astrologia, dá uma olhada nesta imagem e veja se já viu o filme que a retirei. Se chame Melancholia do excelentíssimo Lars von Trier. Abraços, do amigo Diego.

    http://leaodegaza.blogspot.com.br/2012/12/lua-em-virgem-melancholia.html

    E se tiver paciência fiz um comentário sobre o filme atrelando-o com uma música:

    http://leaodegaza.blogspot.com.br/2011/10/poesias-e-profecias-ii.html

    ResponderExcluir