Ruas de Ouro [Melodia]

Vou postar para vocês mais uma melodia que gravei:



Mais uma reflexão sobre a vida,
a morte e a eternidade.


A postagem original está aqui:

Desintegrando



Eu sinto falta do passado
Sinto falta de dias azuis
Quando estava ao seu lado
Tudo parecia mais fácil.

Oh eu sinto falta daqueles dias
Dias de sol radiante e calorosos
Daquelas noites luminosas
Que pareciam nunca acabar.

Em mil pedaços espalhados
Como vidro, vidro quebrado
Estou caído no chão destruído
Sofrendo de dor e esquecido.

Como a fumaça que desaparece
E se desintegra para o nada
Sinto meu espirito sair de mim.
Junto com ele a minha prece:

“Dias melhores...”

Dias que nunca chegam
Horas que não passam
Segundos são infinitos
Como meus pedaços.

Coração partido no chão
Partido em mil pedaços,
Fragmentos em chamas
Chamas que ainda amam.

Hoje me olhei no espelho,
Um velho em meus olhos.
Um rosto que desconheço
Acho que perdi minha face

Todo começo tem um final
E o final é sempre como isto
Esta triste cólera infernal.

E todo final é sempre assim.

Patrick Pinheiro
17/02/13

Palavras Cognatas



Dois corpos separados,
Tão perto e tão longe
Dois mundos ligados,
Divididos e sem ponte.

Ele vivendo pela emoção,
Instinto, poesia e musica.
Escravo do próprio coração

Ela segue apenas a razão,
Racional e behaviorista
Livre de qualquer alienação

Mas entre línguas diferentes
Eu vejo palavras cognatas.
Vejo semelhanças marcantes
Entre debates e serenatas.

São mais que igualdades
São alianças entre almas
Partidas pelas maldades
Que antes eram tão calmas.

“Nós discutimos em duas línguas
Não entendemos nada delas,
Mas quando te beijo é perfeito,
É perfeito o encontro delas”.

Patrick Pinheiro
19/02/13

À Noite



Armas tomando vidas
De homens sem futuro
De um presente sombrio,
Enquanto você dorme.

Mães e crianças no frio
Numa esquina qualquer
Esperando um futuro,
Enquanto você se aquece.

Maquiando um rosto vazio
Acariciando um homem velho
Uma moça sem perspectiva,
Enquanto você está seguro.

Jovens buscando a cura
Mergulhando na doença
Se entregando ao vicio
Afogando-se em garrafas.

Pessoas inocentes caindo
Se perdendo nas garras
Nas garras de anjos caídos
Na madrugada escura.

Um raio de luz no horizonte
Não, não é de esperança.
É o sol chegando novamente
Trazendo mais um dia cinza

Enquanto você dorme
Enrolado em uma cama
Seguro e aquecido...

Patrick Pinheiro
16/02/13

Visão alucinatória



Em uma chuvosa noite quente
Percebo algo na minha janela
Como uma luz escura me olhando
Como uma nuvem me desejando.

É ela! É ela que me deseja
Maldita melancolia!
Cale-se e saia de mim!
Não me deixe mais assim!

Percebo algo se mexer num canto
Acho que foi ela que vi entrando
Como um lenço no ar eu vejo
Vejo o monstro se aproximando

Fria como a madrugada boreal
Faz-me cair num sono profundo
Sinto algo por mim passando
É a melancolia me devorando.

Não consigo lutar...
Eu quero a cura para esta doença

Patrick Pinheiro
14/02/13

Algumas injustiças




Hoje não vou escrever nenhum poema, nem reflexão. Hoje me sinto como alguma fumaça, sinto-me desintegrar no ar para sumir e nunca mais voltar. Por que nos sentimos assim de vez em quando? Ahh sinto-me só, sinto como se nada fizesse sentido, nem as coisas pelas quais eu luto... Nada mais faz sentido. Parece que não importa mais se todos nós morrermos, não importa mais.

Como a vida continua fora do meu quarto? Como as coisas ainda funcionam? Olho pela janela e a única coisa que me identifico é a lua, solitária e esquecida, só é lembrada quando se torna necessária, mas em geral é apenas mais um enfeite da natureza. Os seres humanos são desprezíveis demais...

Hoje em dia o amor não é algo valioso, nem importante na vida das pessoas. É comum alguém que disse “eu te amo e quero te amar para sempre” dizer “não te amo mais”, e é comum algum estranho em menos de uma semana dizer “eu te amo” para alguém que conhece em menos de um mês. O amor não existe mais, talvez em algum lugar bem longe de mim, já que não o vejo em lugar nenhum. Acho que quando se ama alguém de verdade é impossível deixar de amar, talvez a paixão passe, mas o amor deveria ser eterno.

É injusto. Algumas coisas nunca deveriam acabar e duas dessas coisas são os nossos pais. Outra deveria ser a paixão. Quando estas coisas acabam, isso acaba com a gente, e ficam apenas lembranças. Se eu pudesse ser o que eu quisesse, seria o tempo, poderia voltar e congelar as coisas para ficarem como eu gostaria. Mas sei que isso é impossível e também é fútil.

Se pudesse também fazer algo, faria você não ler isso tudo até o final. Haja paciência em me aturar. Mas obrigado! Se você chegou até aqui.

Seul Contre Tous



Não estou mais interessado no que sinto
Já cansei de procurar razões para os fatos
Já que a vida é como um campo minado
Ganhar ou perder faz parte disso.
Existem muitas perguntas proibidas
E não devem ser perguntadas,
A resposta não está neste plano,
Não se faça estas perguntas;
Pode ser torturador...

Cansei de tentar saber as razões das coisas
As razões pelas quais sofremos às vezes.
Se o que acontece aconteceu no passado;
O que ganharei questionando o passado?

Não se trata de refletir sobre o presente
Nem de questionar o mundo
E sim de perseguir fantasmas:
Memórias mortas no cemitério da nossa cabeça.

Patrick Pinheiro
11/02/13

Coração e consciência




Quando o óbvio parecer errado
E o impulso tomar conta da mente
E o controle próprio fica de lado
O futuro se fecha para o presente.

São as consequências que vem
Atos impensados resultam nisso
Você perde o que acha que tem
E as dores são sempre como isso.

Consulte a sua consciência
Evite outra consequência...

Patrick Pinheiro
08/02/13

Balada dos perdidos partidos




Coração pulsante no peito florido
Sorriso leve como a brisa crepuscular
Olhos brilhantes no mundo colorido,
É a sensação do primeiro beijo.

Calorosas noites de inverno juntos
Como gêmeos siameses sempre.
Dois elementos do mesmo conjunto
Quero que isso seja para sempre!

Até que aquela estação passe...

Aperto sufocante no seio,
Salgadas lagrimas nos lábios
Que caem de olhos sem brilho,
É a dor do fim, como um gatilho.

Não nego que sinto o que não deveria
Não nego que tenho saudade
Embora saibamos que não deveria
Embora não sinta mais vontade.

Acho que sempre terei amor por ti
Embora não lhe queira mais aqui.
Talvez um dia eu cante novamente a ti
“However faraway I will always love you…”

Patrick Pinheiro
06/02/13

Sinto por você



Perco-me olhando para estas fotos
Enquanto todas aquelas lembranças
Transformam-se num temível sentimento.
Ódio de um presente futuro sem você.

Voltar para casa e assistir o jornal
Mais uma nova desgraça na tevê
A novidade de hoje é a memória de amanhã.
Mais jovens morreram com seus sonhos.

Enquanto do outro lado da cidade
Uma garotinha se esconde em seu quarto.
Medo e angustia no escuro.
Esperando pela morte do seu agressor,
Esperando pela morte dele...

No céu escarlate um luar enferrujado
Sobre uma noite de sonhos perdidos.
Um velho dentro da minha mente
No reflexo dos meus olhos no espelho.

Uma mãe chorando pela ida,
Lutando pela paz no oriente
O filho matando pela vida.
Esperando um futuro melhor,
Esperanças de um futuro melhor...

Às vezes nos afogamos em nós mesmos
Às vezes morremos em nós mesmos...

Isto é como o que sinto por você
Como o ódio que sinto por você
Que sinto por você...

Patrick Pinheiro
31/01/13

Terrível triangulo amoroso



Sempre que me lembro de você
Passa por mim uma flecha de tristeza.
Não é exatamente um problema meu,
Mas é um problema que me encontrou.
Vivendo uma vida que não posso deixar
Estou vivendo a vida que você deixou.

Quando a tristeza e a melancolia nascem
Meu coração se debate em sangue escarlate
E a cada dia esta dor e a confusão crescem
Como um jarro raro que cai que se parte.

Eu sei, você disse que não possui mais o que eu quero.
Mas eu me sinto bem às vezes, me sinto muito bem.
Sempre que isso acontece me pergunto o que fazer
Por que não voltar a ser o que éramos ontem e ficamos bem?

Velhos amantes depois de anos parecem irmãos
Se eu continuar a ser assim como sempre fui e sou
Nunca terei isso com ninguém... As nossas mãos
Quando separadas parecem perdidas como estou.

Amantes amados perdidos na profunda mágoa
Memórias sujas pelo medo de ser tudo diferente.
Estou deslizando sobre este profundo mar negro
E quero mergulhar nisso precisando sair desta água.

Água amargamente doce como o passado triste
Passado doce como o presente de memórias
Memórias alegres como aqueles dias sem fim
Que chegaram ao fim sem despedida e sem beijo.


Patrick Pinheiro
23/01/13

Ela está morta



Não creio, ela foi embora.
Não está mais entre nós.
Ela disse que está morta
Nunca mais ficaremos a sós

Onde ela estará agora?
Que foi tão meiga e suave.
O que pensar nesta hora?
Nada apenas sinto saudade.

Ela vivia tão delicada comigo
E agora está sempre morta.

Sempre morta
Minha amada
Está morta...

Ela disse que está morta
Ela está tão mudada agora
Ela disse que vai embora.
Meu tempo ficou sem hora.

Sempre morta
Mulher amada
Está morta...

Se eu pudesse te trazer
E te fazer viver comigo
Tu irias ver e conhecer
Teu amor e teu amigo.

Mas agora é tarde
Ela está longe agora
Onde não posso estar.
Eu dentro, ela fora.

Eu? continuo aqui
Ela? se diz morta...

Patrick Pinheiro
22/01/13