Desintegrando



Eu sinto falta do passado
Sinto falta de dias azuis
Quando estava ao seu lado
Tudo parecia mais fácil.

Oh eu sinto falta daqueles dias
Dias de sol radiante e calorosos
Daquelas noites luminosas
Que pareciam nunca acabar.

Em mil pedaços espalhados
Como vidro, vidro quebrado
Estou caído no chão destruído
Sofrendo de dor e esquecido.

Como a fumaça que desaparece
E se desintegra para o nada
Sinto meu espirito sair de mim.
Junto com ele a minha prece:

“Dias melhores...”

Dias que nunca chegam
Horas que não passam
Segundos são infinitos
Como meus pedaços.

Coração partido no chão
Partido em mil pedaços,
Fragmentos em chamas
Chamas que ainda amam.

Hoje me olhei no espelho,
Um velho em meus olhos.
Um rosto que desconheço
Acho que perdi minha face

Todo começo tem um final
E o final é sempre como isto
Esta triste cólera infernal.

E todo final é sempre assim.

Patrick Pinheiro
17/02/13

3 comentários: